Observação Universal

"Quando alguém pergunta pro autor o que este quis dizer, é porque um dos dois é burro." [Mário Quintana]

domingo

HOMEM, ainda tem H?


Ainda e bem recentemente estou na faixa dos vinte e poucos anos. Também não sou farta de experiências amorosas, mas uma coisa é fato: Onde estão os homens de verdade?
A gente cresce, e vai criando o príncipe, o cara que vai dizer que te ama sem intenções, ou ficar dizer o que quer sem enrolação, o cara gentil que entende sua posição, suas limitações, ou que pelo menos se esforça para isso... que tem atitude de te chamar para sair, nem que seja de "buzão" para rachar o "dog". O cara corajoso que te fala as verdades não só pelo msn [ó céus].
Não estou falando de etiqueta, nem de cavalheirismo, estou falando é de falta de atitude masculina, desses homens que dão chilique porque a mulher não quis ir pro Motel no primeiro encontro, daqueles que tem tanto medo de você [com um olhar] intimá-lo à pagar a conta, que dispara a falar de seus problemas financeiros [querendo dizer: “A gente vai dividir isso aí né mozão?"]. Ou esses caras [caras?] que nem ao menos te buscam em casa, ou gentilmente lhe oferecem uma carona num dia de chuva, ou num dia qualquer. Não falo de pieguices nem de um lindo romance, falo de falta de postura, falo de falta de testosterona...
Porque o pior não é o cara que não abre a porta do carro [porque não sou aleijada], nem o que não paga a conta, pior mesmo, é o "metrossexual", esse nome que inventaram para esses caras que ainda não saíram do armário. O cara que puxa ferro com mais freqüência do que pensa, que pega fila com você no salão de beleza para fazer a progressiva, que passa base nas unhas para não perder o brilho, e usa calça apertada para definir o bumbum.
Esses tipos usam camisa apertada, gel no cabelo [quando não está com progressiva], fazem cavanhaque, e tiram os pelinhos do meio da sobrancelha [para definir o rosto]... E antes que eu me esqueça, se encarregaram de driblar a testosterona, nem pelo no peito eles tem mais. E os grisalhos que nos anos 90 era puro charme, Grecim2000 acabou com a festa, e se o destino foi cruel e a careca aparecer [aquela peruquinha dá um jeito nisso].
Meu Deus, agora que eu cresci, percebi que meu sapo não virou príncipe, virou princesa e vai querer dividir o espelho comigo, e quando eu não quiser nada com ele, ele vai fazer que nem minha vizinha invejosa: ele vai fazer intriguinhas e fofoquinhas...
Queria voltar no tempo e corrigir esse erro do senso comum, decretar que homem é homem e não Brad Pitt, ou Reynaldo Gianecchini(quem dera se todos os fossem), mas não são, e nem por isso devem colocar prótese de silicone nos peitos, fazer musculação e esquecer de pensar, alisar o cabelo e fazer luzes, surgindo assim uma manada de projetos de homens por aí...
Poxa, não é porque tem mais mulher no mundo, que eles tem o direito de se contaminar com nossas vaidades. Homem tem sim que ter vaidade, mas não fugir do seu natural (penso o mesmo das mulheres, mas nelas até que é aceitável, porque não tem mulher por aí colocando bigode porque ta na moda!).
Talvez eu que tenha um pensamento jurássico. A culpa é da minha geração, desculpa aí OMENS [esses tipos do século XXI] se sou do tempo da tirinha "É dos carecas que elas gostam mais", se sou da época em que amor não era instantâneo, e que intimidade era algo plausível, sou do tempo em que Merthiolate ardia, e a vida era muito mais intensa... Não era só as imagens do espelho refletida nos artistas da televisão!

2 comentários:

Halienígena. disse...

hahaha, muito bom o texto!
Pagar a conta? Hoje em dia se ele pagar pelo a parte dele eu já fico agradecida.
"homem" que depila peito, fazs luzes e pinta unha pra mim é conhecido como viado. kkkkk,ele pode dizer que não é, mas se ele não dá ele empresta. ahuahauahua
Ai Kaka, estamos ferradas com estes omens, mas uma boa notícia tem muito HOMEM europeu, aqui no Brasil a coisa tá difícil.
Beijossss

Fernando Pimenta disse...

"nem pelo no peito eles tem mais"

Caracas, que crueldade. Tem muitos homens (e eu conheço uma penca deles, inclusive a mim mesmo!) que não têm a genética para crescer pelos no peito... hahaha... até ri agora.

"tiram os pelinhos do meio da sobrancelha [para definir o rosto]"

Praticamente todos os meus amigos tiram... e a 'metrossexualidade' deles se resume a isso. Alguns (pouquíssimos) podem se sentir bem com monocelha, outros não... algumas mulheres depilam bastante lá em baixo, outras menos, outras nada. Muitas francesas têm tantos pelos na axila como os homens... acho que isso é algo cultural, não se resume meramente ao cara ser gay ou não. Se todos os amigos dele fazem a "monocelha", ele também se sentirá pressionado a fazê-la, e eu sinceramente não vejo problema nisso.

---> concordo com parte do que você disse, aliás, eu sou homem, e preciso discordar de certos pontos. O primeiro: você quer que o homem moderno seja como Kirk Douglas, um ídolo masculino de sua geração, másculo, queixo quadrado, loiro, olhos claros, espáduas largas, atitude testeronizada...

Mas minha amiga, os fatos apontam que alguns preferem ser como Chet Baker, com sua voz andrógina, pouco se importando com estereótipos XX e XY.

Mas o qu'eu vejo hoje - inclusive em mim mesmo - é que os homens já estão cansados desse papel macho imposto como um fardo de guerra, como se fôssemos bestas de carga, e nossa "macheza" se resumisse a portar-se como algo que é mera afetação masculina, e não o que verdadeiramente somos.

Não sei se você consegue me compreender, mas homens muito machos são como mulheres muito dengosas: desagradáveis e superficiais 90% do tempo.

E um homem não tão "macho" pode ser, a longo prazo, o que te ponha menos (ou nenhum) chifre durante o relacionamento, e te respeite tanto como amigo como amante.

Os homens "macho" que eu conheço curtem mesmo é a hora da trepada - serão os futuros pais com pouco diálogo com os próprios filhos.

Então cuidado: o machão bom de cama e de atitude que você por ventura encontrar algum dia pode ser também o pior pai dos teus filhos... e eu conheço vários exemplos à altura, dentro da própria família e entre meus círculos de amizade.

\O/